Plataforma

De Wiki das Águas

Muitas são as teorias econômicas, técnicas e administrativas sobre o que é uma plataforma. A confusão terminológica é enorme e é necessário, portanto, descrever sobre mais uma perspectiva específica do que é uma plataforma de execução na Internet.


As plataformas de execução digitais

Adotamos aqui o conceito desenvolvido por Peter Weill, chairman do Centro de Pesquisa em Sistemas da Informação (CISR) do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (em inglês, MIT). Seu trabalho, assim como o de sua equipe, destaca que as atividades cada dia mais virtuais têm transformado os investimentos das empresas e organizações por todo o planeta.

As transformações também são constantes nos processos de governança e execução de ações locais públicas, ou da sociedade civil, a conexão possível entre distintos pontos do globo é gigantesca.

Sua pesquisa descreve os estilos de cada organização através de arquétipos, estruturas e capacidades necessárias para uma boa governança, conforme expostos no quadro abaixo.

Quadro 8 – Arquétipos de classificação da TI - organização e área de decisão

Fonte: formulação própria, adaptado de Peter Weills MIT-CISR
Estilos organizacionais Áreas de Decisão
Monarquia do Negócio Princípios da TI
Monarquia da TI Infraestrutura de TI
Feudo de TI Arquitetura da TI
Duopólio Necessidades das Aplicações
Federação de TI Investimento em TI
Anarquia

Neste esforço ele elenca 6 arquétipos para classificar as estruturas de TI dentro das organizações, são eles: (1) Monarquia do Negócio, (2) Monarquia da TI, (3) Feudo de TI, (4) Duopólio, (5) Federação de TI e (6) Anarquia.

Aponta também as 5 principais áreas de decisões para a TI: (A) Princípios da TI, (B) Infraestrutura de TI, (C) Arquitetura da TI, (D) Necessidades das Aplicações e (E) Investimento em TI (WEILL, 2002).

Competências fundamentais em uma plataforma

Estas publicações propõe uma série de características que os estudos do MIT-CISR detectam nas empresas e governos em âmbito global.

Os estudos geram e propõe um modelo para implementação que crie valor a partir do desenvolvimento de três competências fundamentais em uma plataforma de execução de negócios digitais: o conteúdo, a experiência e a plataforma (MIT, 2013, grifo nosso).

Suas conclusões permitem a integração destes três componentes em qualquer modelo de negócios digital trabalhando juntos para criar uma proposta de valor convincente para as pessoas e organizações. Veja no quadro 9.

Este relacionamento pode ser relatado na perspectiva em que (1) o conteúdo é a produção constante de informações, conhecimento e produtos, (2) a experiência é o fenômeno gerado com este conteúdo nas relações das pessoas com o mundo.

Ignorando a Natureza, o impacto pode ser diminuído nas decisões e/ou impacto social quando (3) a plataforma é vista como o meio que provê, condições internas ou externas, de realização e manifestação no mundo.


Quadro 9 - Componentes da Plataforma de Execução de negócios digitais

Fonte: Formulação própria, adaptado de Peter Weills MIT-CISR
Componentes Pergunta-chave Âmbitos
Conteúdo O que é consumido? Informações e conhecimento
Produtos tangíveis e intangíveis
Experiência Como é empacotado? Experiência do Usuário
Plataforma Como é entregue? Tecnologias e processos internos
Redes privadas ou públicas


Transformando ideias em acontecimentos reais e produtos em ilusões de satisfação para as pessoas, talvez haja a Sustentabilidade na Plataforma de Execução.

Tênue a frequência com as artes, tamanha confusão necessária. Adotaremos a leitura de que o ser humano pode cultivar o conteúdo da sua vida para vivenciar sua experiência com os outros e a natureza. Sua plataforma será infraestrutura e produto das ações em sociedade.


Seguimos!

Neste esforço ele elenca 6 arquétipos para classificar as estruturas de TI dentro das organizações em que estuda, são eles: (1) Monarquia do Negócio, (2) Monarquia da TI, (3) Feudo de TI, (4) Duopólio, (5) Federação de TI e (6) Anarquia.

Aponta também as 5 principais áreas de decisões para a TI: (A) Princípios da TI, (B) Infraestrutura de TI, (C) Arquitetura da TI, (D) Necessidades das Aplicações e (E) Investimento em TI (WEILL, 2006)[1].


WEILL, P.; WOODHAM, R.  Don’t just lead, govern: implementing effective IT governance. Cambridge: CISR, 2002. Work Papers, 326.

WEILL, P.; ROSS, J. W. Governança de tecnologia da informação. São Paulo: M. Books, 2006.

WEILL, P.; WOERNER, S. L. Optimizing your digital business model. MIT Sloan Management Review, Cambridge, v. 54, n. 3, p. 71-79, 2013. Disponível em: https://demanddrivenceonetwork.files.wordpress.com/2013/03/mit-digital-business-model.pdf . Acesso em: 24 jul/2021.


Veja mais sobre

  1. WEILL, P.; ROSS, J. W. Governança de tecnologia da informação. São Paulo: M. Books, 2006